Crescimento do atacarejo sinaliza novas possibilidades de investimento

Variedade de produtos a preço de atacado já atrai mais de 800 mil famílias às lojas no modelo atacarejo. Crescimento do setor foi de 26,7% em 2020

Análise de mercado
Publicado em:
27/10/2021
Download versão PDFAcessar link externo

Variedade e quantidade. Se fosse possível resumir o atacarejo, essas duas palavras já diriam tudo. O comércio em grande escala trouxe aos consumidores a possibilidade de encontrar gôndolas cheias com diferentes marcas de produtos e preços que até então só eram oferecidos a atacadistas. É o melhor dos dois mundos para quem quer economizar e, mais do que isso, uma oportunidade de negócios para investidores da construção civil. Isso porque os atacarejos demandam uma estrutura física diferente de lojas e mercados tradicionais: galpões com grandes corredores e muito espaço para circulação.

Obra Telmec: Assaí Atacadista, em Petrópolis-RJ, inaugurado em 2020.

O modelo de atacarejo vem dos Estados Unidos. Desde os anos 70, quando grandes redes como o Walmart iniciaram as operações, o segmento só cresceu e se espalhou pelo mundo. No Brasil, o crescimento de 26,7% em 2020 (Nielsen IQ) representa a força do setor. A Associação Brasileira de Atacadistas de Autosserviço (ABBAS) estima que 860 mil famílias façam compras exclusivamente em atacarejos, movidas pela facilidade de encontrar tudo em um só lugar e, principalmente, pelo bolso – a economia pode chegar a 15% em alguns itens.

Há três décadas, a Telmec faz parte desse movimento que já tomou a maior parte das grandes cidades brasileiras. Em nosso portfólio de clientes,  estão as principais redes do segmento de atacado e varejo, com lojas de tamanho e estruturas variadas.

Obra Telmec: Makro, em São José dos Campos-SP, inaugurado em 2021.


Atacarejo e a evolução da experiência de consumo

Com o crescimento do e-commerce durante a pandemia, as lojas físicas precisaram se adaptar para garantir boas experiências de compra. Muita gente não abre mão de escolher os produtos nas prateleiras, como mostra um levantamento feito pela Adyen, que publicou o Relatório Varejo 2021. Pelo menos metade dos entrevistados revelou que prefere comprar em lojas físicas. Mas a experiência deve ser diferente: nada de corredores amontoados ou filas enormes para pagar. Segundo o relatório, 74% dos brasileiros querem experiências de compra mais práticas e 68% imaginam que as “lojas do futuro” serão mais parecidas com galerias de arte. Minimalismo, simplicidade e praticidade vão nortear os investimentos na construção de atacarejos.


Mais negócios a caminho

De acordo com a ABAAS, hoje o Brasil tem 151 operadoras de atacarejo, responsáveis por quase 1.400 lojas. O setor fatura R$ 130 bilhões ao ano. Os números expressivos explicam por que os investimentos estão avançando, com grandes redes varejistas expandido as operações para o formato atacarejo – segundo a Fast Ariam, empresas que fabricam mobiliários, gôndolas e equipamentos para refrigeração registraram aumento de 40% na demanda nos últimos 24 meses. Tudo para atender um mercado que ainda deve crescer muito no Brasil. Somente entre janeiro e março deste ano, as vendas no atacarejo foram 22% maiores do que no mesmo período de 2020. A expectativa é que as mudanças de consumo trazidas pela pandemia levem cada vez mais clientes para lojas onde comprar seja mais fácil – e mais barato.

Obra Telmec: Barcelos Atacadista, em Campos dos Goytacazes-RJ, inaugurado em 2020.


Sem mais imagens na postagem
Contato

Quer colocar o seu projeto em prática? A nossa equipe está pronta para te atender.

+55 61 3245 2147
comercial@telmec.com.br
EQS 114/115 Conjunto A, Bloco 3 loja 47
Edifício Casablanca | Brasília – DF
CEP 70.377-400
Whatsapp Corporativo

Preencha os campos abaixo. A sua mensagem vai direto para a caixa de entrada do nosso time de atendimento. Ao concluir o cadastro, você declara estar de acordo com a política de privacidade da Telmec.

Muito obrigado! A sua mensagem foi enviada com sucesso.
Algo deu errado. Por favor tente novamente